Formação
Artigos
            Informação             Artigos             O GRITO DOS EXCLUÍDOS
00/00/0000 Artigos do Arcebispo da Província de Uberaba-MG O GRITO DOS EXCLUÍDOS
A+ a-

O Grito  é  uma  manifestação  autenticamente  popular,  que  engloba  pessoas,  grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais, onde todos devem estar comprometidos com a causa das pessoas excluídas. É uma mobilização que denuncia os modelos políticos e econômicos que causam exclusão social, trazendo consequências de sofrimento para muitas pessoas.

É forma de tornar público o rosto desfigurado da sociedade que clama por uma política de inclusão social de valorização dos cidadãos. Essa manifestação, que não é um movimento e nem uma campanha, acontece no dia 7 de Setembro, Dia da Pátria. Constitui-se num espaço popular e de participação livre, mas todos motivados pelo anseio de mudanças na sociedade.

A forma de manifestação pode ser diversa, dependendo da realidade da comunidade. Podem ser por atos públicos, romarias, celebrações especiais, seminários, blocos na rua, caminhadas etc. É espaço de convergência em que vários atores sociais se reúnem para protestar e propor caminhos novos. Acontece no dia da Independência, da soberania nacional, em que a participação deve ser expressão de cidadania consciente e ativa da população.

O Grito dos Excluídos teve sua origem nas ações do Setor Pastoral Social da CNBB, principalmente a partir da Campanha da Fraternidade de 1995, que abordava o tema que falava da Fraternidade e dos Excluídos. Ele veio também como fruto da 2ª Semana Social Brasileira, que abordava o tema: Brasil, alternativas e protagonistas.

Podemos dizer também que é um grito, sufocado pelas realidades contemporâneas, que vem a público, com a participação de diversos setores influentes da sociedade e revela uma forte reação das entidades inconformadas e contra um sistema de mercado que gera massas enormes de excluídos, de desemprego, miséria e violência.

Não basta celebrar uma Independência tida como politicamente formal. Supõe soberania da nação com políticas públicas que favoreçam as classes mais sofridas, como ainda relações solidárias e justiça social. Assistir a desfile de armas é muito fácil, mas é preciso propor um patriotismo que seja positivo e que abra caminho para parcerias que libertem as pessoas de sistemas opressores.

 

Dom Paulo Mendes Peixoto
                  
Arcebispo de Uberaba

 

 

Atualizado em: 31/08/2012 às 00:00
Nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Últimos Artigos
 Veja mais notícias
                  
Receba as notícias e artigos da Diocese de Patos de Minas. Cadastre seu e-mail...